Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
31
Ago 10
publicado por João Monteiro Lima, às 16:25link do post | comentar

Segundo notícias que vou tendo, as últimas horas têm sido de grande trabalho para os Bombeiros do Marco. Os órgãos de comunicação social nacionais dão conta de incêndios em diversos concelhos do País e destacam um incêndio na Serra da Aboboreira, que terá começado em Baião, mas que já  estaria no concelho do Marco.

De manhã, uma rádio nacional dava conta que teriam ardido algumas casas na freguesia de Soalhães. A edição on-line o Jornal A Verdade informa que o incêndio está já na fase de rescaldo.

Sabendo das dificuldades que os nossos Bombeiros (os do Marco, mas também os de outros concelhos) enfrentam no combate aos incêndios, resta deixar mais uma palavra de reconhecimento e respeito pelo grandioso e generoso trabalho que diariamente realizam, mas também de incentivo para que continuem sempre com o mesmo empenho na defesa de tudo e de todos.

Á distância deixo um abraço para todos os Bombeiros, e em particular para os do Marco.


É com tristeza que verificamos ano após ano estas trajédias dos incendios, que causam prejuízos materiais e perda de vidas humanas. Depois, alguns políticos com responsabilidades, dizem na comunicação social que este ano arderam menos hectares de floresta... Como se isso fosse uma boa justificação para a falta de ordenamento da floresta. Quando eu era criança, as matas estavam sempre limpas, para aproveitamento do mato para estrumar o gado... Se mudaram os tempos, com a utilização dos produtos químicos na agricultura, porque não aproveitar as culturas herbáceas para a biomassa em vez dos combustiveis fosseis derivados do petróleo, com que trabalhei 21 anos em geradores de vapor eque tanta poluíção causam? Na minha actual actividade profissional, constacto com agrado que uma instituíção de caracter social,( Cerci-Marante) possui uma caldeira para aquecimento das suas enormes instalações cujo combustivel é a casquinha, resíduos de lenha,etc. Porque não há coragem para avançar com medidas concretas nesta vertente? Todos os anos é a mesma coisa! Bom, mas se calhar eu é que estou errado...
António Pereira
Antonio Pereira a 31 de Agosto de 2010 às 21:39

Caro leitor,
eu penso que os politicos por vezes falam apenas para não estarem calados.
Gostava de os ouvir assumir sem rodeios que muitos dos incendios (ou a maioria, ou quase todos) são de origem criminoso.
Também gostaria que assumissem junto das corporações, a tempo e horas, os seus compromissos.
Quanto ao exemplo que dá, penso que seria interessante se se avançasse por aí, mas haverá sempre quem esteja contra

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO