Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
20
Jun 13
publicado por António Santana, às 20:42link do post | comentar

Nos últimos tempos ouvi a vários comentadores e outras personagens comentários referindo direitos excessivos dos cidadãos dos países em dificuldades financeiras. Estes são comentários e observações que merecem uma reflexão profunda. Eu não aceito uma opinião deste tipo de ânimo leve. Manifesto uma clara oposição àqueles que defendem uma diminuição de direitos  para resolver questões económicas e financeiras. Ao longo dos séculos a evolução humana refletiu-se numa melhor educação, numa evolução dos serviços de saúde e num bem estar geral. Muitos foram aqueles que se sacrificaram para que a dignidade humana se fosse reforçando. São muitos os exemplos daqueles que se sacrificaram para que hoje esses direitos existam.O ser humano desenvolveu meios que lhe proporcionaram a evolução distanciando-se dos primatas e tornando-se dominador no planeta. Entre muitos meios criados, a moeda foi uma invenção importante que facilitou a troca de bens e pagamento de serviços. E assim foi cumprindo o seu papel ao longo de séculos. Hoje verificamos que a moeda já não é apenas metal mas também se caracteriza por outras apresentações que podem ser reais ou virtuais. É nesta nova realidade que nos movemos e onde os novos valores financeiros se impõem. A moeda e a finança só têm sentido quando colocadas ao serviço do HOMEM. Não devemos deixar que os humanos sejam postos ao serviço da moeda e da finança. E isto não tem nada a ver com ser de esquerda ou de direita. Tem a ver com a colocação dos valores humanos nos devidos lugares. Os direitos nunca serão excessivos quando o objectivo seja um ser humano mais solidário, mais respeitador do seu próximo e do seu planeta, mais capaz de partilhar e deixar aos jovens um mundo melhor e proporcionar aos mais idosos um adeus digno. Não me falem de direitos excessivos, falem-me, isso sim, de desvios nos objectivos humanos.


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO