Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
02
Out 09
publicado por J.M. Coutinho Ribeiro, às 16:48
editado por José Carlos Pereira às 19:12link do post | comentar

No passado dia 23, a presidente da Junta de Soalhães, Cristina Vieira, impediu o candidato do PSD à JF, Miguel Gregório, na sua qualidade de representante do mandatário da candidatura, de participar na reunião onde se discutia a formação das mesas das assembleias de voto. Motivo: a credencial apresentada estava digitalizada em computador e não em suporte de papel. E quando chegou a credencial em suporte de papel, Cristina Vieira entendeu que já vinha tarde. Miguel Gregório reclamou para o Tribunal que, ontem, lhe deu razão, com o argumento de que a lei não exige suporte em papel.

Cristina Vieira extravasou, claramente, as competências que a lei lhe confere, uma vez que não tem poderes para aferir da validade da credencial. Essa era tarefa que competia aos demais participantes.

Valeu a compreensão dos representantes das candidaturas do PS e da LIS (que cederam, no tribunal, lugares nas mesas - a candidatura de Ferreira Torres não o fez, mas porque tinha apenas indicado um lugar por mesa), o que também mereceu a concordância da CDU, que não tinha indicado nomes.

Seguiu, também, participação para a Comissão Nacional de Eleições.

Eis, pois, um excesso de zelo da autarca que facilmente poderia ter sido evitado. Se houvesse boa-vontade, é claro.

tags:

Está a verificar-se constantemente que esta autarca não tem qualidades pessoais,nem competência para exercer o cargo.
Cria confusões com tudo e todos.
O povo de Soalhães merece melhor.Força,Miguel!
Anónimo a 3 de Outubro de 2009 às 02:00

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO