Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
02
Nov 09
publicado por J.M. Coutinho Ribeiro, às 02:31link do post | comentar

Com a tomada de posse, sábado passado, dos autarcas eleitos no passado dia 11, terminou o meu ciclo político no Marco. E talvez mais nenhum se reinicie. Não tem importância. No fundo, a minha ida ao terreno - contra todas as previsões - foi mesmo ajudar a acabar o que foi iniciado em 2001, quando, em circunstâncias difíceis - tenebrosas, aliás - fui dar o corpo às balas. Desta feita, fui dar o corpo às balas por outros. Ouso pensar que foi um contributo útil. Pelo menos, um contributo leal, empenhado, desinteressado. A tese da bipolarização que lancei - sendo arriscada - colheu frutos e traduziram-se em 125 votos de diferença. Risco calculado: nada pior do que não ter arriscado e ter, agora, uma Câmara ingovernável.


Caro amigo, a estratégia seguida foi a que melhor servia os interesses da candidatura que apoiavas, há que reconhecê-lo e dar-te os parabéns pela sua concepção. O facto de te teres envolvido por "amor à camisola", prática em cada vez mais em desuso , é digno de registo. Espero que daqui a quatro anos, todos tenhamos motivos para reconhecer que o Marco mudou e que continuas a "interessar-te" e a não abdicar de pensar no Marco.
O Marco precisa de toda a massa cinzenta
antonio ferreira a 2 de Novembro de 2009 às 14:54

António:
Se bem me recordo, a tese da bipolarização foi lançada ainda antes de estar envolvido na candidatura de Manuel Moreira. Assim, antes de ser a estratégia que melhor se adequava à candidatura que apoiei, era aquilo que eu achava que melhor se adequava aos interesses do Marco, porque a única que podia evitar o regresso de AFT.
E foi porque previ que a bipolarização ia funcionar, que decidi ir dar o meu contributo. É que ela podia cair para qualquer um dos lados e isso assustava-me.
Tal como tu, também espero que daqui a 4 anos o Marco esteja melhor. E espero que, pelo menos, esteja uma terra mais normal, onde não seja preciso fazer dramáticos pedidos de voto útil. E o futuro do Marco está garantido: anda por aí muita gente nova com valor que se encarregará de o garantir.
Um abraço

Desta vez não estive do seu lado mas poderia ter estado já que,salvo a devida distância em termos de formação cultural,acho que somos muito semelhantes em vários aspectos. A si dou-lhe os parabéns pela vitória,a Manuel Moreira não dou porque,ao contrário do que ele afirmou,não acho que ele tenha tido muito mérito na vitória. Mérito teve quem conseguiu fazer passar a teoria da bipolarização.Por circunstâncias pontuais estivemos em campos opostos,mas,se a vida nos permitir,ainda espero voltar a estar do seu lado em lutas futuras.
ANTÓNIO OLIVEIRA a 2 de Novembro de 2009 às 19:20

António Oliveira:
O mérito é de Manuel Moreira, que foi quem ganhou as eleições. É ele o nosso presidente. Foi ele quem conseguiu cativar-me para a luta e sei que está grato por eu ter ido. Tal como eu estou grato por ter podido participar nesta viragem. Isso basta-me.
Obrigado, quanto ao resto. Creio que já lhe disse que estimava a forma convicta como apoiou Norberto Soares.
Quanto a virmos estar do mesmo lado da luta, duvido. Mas apenas porque, comigo, não haverá mais lutas destas. Mas teria todo o prazer em tê-lo do meu lado, se as houvesse.
um abraço

Parabéns para ti por a tua tese ter dado frutos, e que frutos, mas continuo a não ter a certeza se terá sido o mellhor para o Marco.
Esta minha convicção passa em muito pela minha crença qe poderes absolutos conduzem quase sempre a má governação. Eu acredito que é do diálogo que nasce a luz.
Mas tudo bem e esperemos que também aqui esteja enganado.
jvaldoleiros a 2 de Novembro de 2009 às 21:15

Obrigado, Jorge.
Mas percebe, de uma vez por todas, que ou a tese vingava ou, hoje, arriscavamo-nos a ter AFT presidente da Câmara.
Um abraço

Ainda não acredito e a prova está nos votos que teve.
Apesar de me ter surpreendido que existam tantos Marcoenses que tenham votado em tal figura, ainda que obviamente estejam no seu direito.
De qualquer modo nunca tive nos meus amigos e conhecidos tantos a darem-me os parabéns apesar de eu lhe dizer que o meu candidato tinha ainda ficado atrás dele.
Surpresa, para mim foi a de Felgueiras.

Não esqueças que AFT teve mais votos do que Artur e Norberto juntos. Logo, o outro polo era ele. Foi sempre.

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO