Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
10
Nov 09
publicado por José Carlos Pereira, às 08:45link do post | comentar

A carta de Armindo Loureiro, presidente reeleito da Junta de Freguesia de Tuías, enuncia o propósito de renúncia ao mandato por parte de todos os membros da sua lista, provocando desse modo a realização de novas eleições. Loureiro mostra que prefere correr o risco de perder as eleições em novo acto eleitoral do que abdicar de constituir o executivo de acordo com a sua vontade. O bloqueio na designação do executivo da Junta pode resultar em mudança política na freguesia.

Os resultados das eleições de 11 de Outubro para a Assembleia de Freguesia de Tuías foram muito disputados e todos os cenários são admissíveis. Armindo Loureiro (lista independente afecta a Norberto Soares) venceu com 649 votos e 4 mandatos, António Loureiro (PSD) teve 556 votos e 3 mandatos e José Fernando Monteiro (Marco Confiante) alcançou 463 votos e 2 mandatos. Ou seja, houve apenas 183 votos a separar as três candidaturas, numa eleição em que 685 eleitores não foram às urnas.

Um novo acto eleitoral permite colocar tudo em causa, havendo certamente muitas movimentações em todos os sentidos para assegurar a vitória numa freguesia emblemática, ou não fosse a área de residência e de forte influência de Avelino Ferreira Torres. Manter-se-ão os candidatos de 11 de Outubro ou haverá surpresas? Avançará algum peso pesado mandatado por Ferreira Torres para tentar derrotar Armindo Loureiro? Será que este avaliou bem essa possibilidade?

tags:

Este é o cenário óptimo para AFT sair de vez de Marco de Canaveses, acho que ele se devia candidatar à junta de Tuias, assim poderá ser que caia na realidade e descubra que o povo do Marco não o quer por estes lados. E o resultado das eleições foi bem claro só ele é que não vê, ou não quer ver.
Acho muito mal o que Armindo Loureiro está a fazer, está a desprezar o povo de Tuias, se o resultado das eleições foi este, deve ser acatado e a partir desse ser constituído o elenco da junta. Já para não falar na jogada protagonizada com o candidato do PSD, Armindo Loureiro demonstrou que aprendeu alguma coisa no tempo em que era ajudante de AFT. O povo de Tuias não entrará nesta fantochada!!
José Augusto Pereira a 10 de Novembro de 2009 às 16:24

E o PS não teve votos nas eleições em Tuías? Será que o candidato do PS é invisivel?

José António
José Antonio a 11 de Novembro de 2009 às 01:07

Não tive intenção de menosprezar as outras candidaturas. A verdade é que o PS, com 155 votos, e a CDU, com 37 votos, não conquistaram qualquer mandato e ficaram a léguas das três candidaturas mais votadas. Ou há um imprevisto volte-face ou PS e CDU não contarão para as (novas) contas finais em Tuías.

Para mim o sr. Armindo Loureiro desceu bastante na minha consideração, pois faz-me sentir que tem a mesma "doença" ambição pelo poder que Avelino.

Os meus pesames para ele, isto é simplesmente um acto de desprezo pela confiança que os cidadãos depositaram nele. Demos-lhe uma oportunidade para que nos próximos quatro anos fizesse o que não fez nos anteriores, e é desta forma que nos trata. Penso que a população irá castigá-lo pois neste momento é o que nos faz sentir.

Cumprimentos e desculpem alguma coisa.
David
David a 11 de Novembro de 2009 às 15:18

Não sei qual a decisão dos eleitos em Tuías, mas tive a informação que existem algumas freguesias no distrito do Porto, entre as quais estão Freamunde e Rio Mau, que estão na situção de impasse em que esteve a Junta de santo Isidoro em 2005 e penso que seria bom para a democracia que todas estas juntas se unissem de forma a pressionar o poder central no sentido de alterar a lei
alcino jorge a 12 de Novembro de 2009 às 23:31

Concordo que é necessário corrigir o buraco que existe na Lei. Os dois maiores partidos têm responsabilidade acrescida.

Nas eleições autárquicas, os membros das várias listas são, todos sem excepção, candidatos à Assembleia de Freguesia. De acordo com a Lei 5-A /2002, o Presidente da Junta “é o cidadão que encabeçar a lista mais votada na eleição para a assembleia de freguesia” e, os vogais “são eleitos pela assembleia de freguesia (…), de entre os seus membros, mediante proposta do presidente da junta…”. Talvez o problema resida no facto de a lei condicionar esta eleição à “proposta do presidente da junta”. Se a Assembleia de Freguesia tiver competência para eleger qualquer um dos seus membros para vogal, a situação está ultrapassada e, poupávamos muito tempo e dinheiro ao erário público.
antonio ferreira a 13 de Novembro de 2009 às 16:33

Caro, António Ferreira

o que defende era o que existia na lei 169/99 e foi alterado pela 5A/2002, justamente para que o presidente eleito pudess escolher os seus vogais. Este, segundo entidades competentes na matéria, é o espirito da lei, só que o facto da assembleia ter de ratificar cria um impasse inadmíssivel.
É também estranho que em 7 anos não se tenha alterado a lei
alcino jorge a 16 de Novembro de 2009 às 10:24

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO