Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
17
Nov 09
publicado por José Carlos Pereira, às 00:40link do post | comentar

Dei aqui nota há alguns dias da constituição da Comissão Municipal de Toponímia, aprovada na primeira reunião do novo executivo marcoense. Aos nomes que então avancei - Lino Tavares Dias, Hernâni Pinto e eu próprio - o jornal "A Verdade" acrescentou os de Manuel Soares Barbosa, antigo responsável pelo serviço público de electricidade no concelho, Joaquim Ferreira Santana, candidato à Câmara pela coligação PSD/PS em 1983, Emília Marques Oliveira, professora e candidata suplente pelo PSD à Câmara Municipal nas últimas eleições, e Maria da Conceição Leite Pinto.

Entretanto, o JN de ontem publicava uma notícia sobre a matéria que continha algumas imprecisões, desde logo quando dizia que a Comissão de Toponímia foi constituída no mandato anterior. É verdade que essa constituição foi então sugerida pelo PS, por minha iniciativa, mas a sua criação, como vimos, ocorreu apenas em cinco de Novembro último.

Quanto às extrapolações feitas na notícia do JN a partir de uma fonte (!) da Comissão, limitei-me a comunicar ao presidente da Câmara a minha estranheza por haver fontes não identificadas no âmbito da novel Comissão.

Como é meu hábito, só farei comentários públicos sobre matérias que envolvam a Comissão Municipal de Toponímia depois de intervir formalmente no local próprio.


Dr José Carlos Pereira eu próprio apresentei na reunião da assembleia municipal de Setembro/07 uma proposta de alteração ao nome do estádio. Achei na altura e continuo achar, que não faz sentido a proprietária do estádio(câmara municipal) em todas actividades que lá leva a efeito chamar estádio municipal quando tem a denominação estádio Avelino Ferreira Torres. Acho que o pavilhão Bernardino Coutinho deve ser também assunto de reflexão por parte da comissão, uma vez que o sr. não soube manter isenção ao apelar ao voto num dos candidatos às eleições autarquicas do passado dia 11 de Outubro.
Quano ao nome de ruas e avenidas, acho a meu ver, que a comissão deve ser mais prudente,embora eu pessoalmente entenda que muitos nomes não diz aos marcoenses,mas é preciso tomar em linha de conta os transtornos e despesas que irá causar a mudança de nomes.
Virgílio Costa
virgilio costa a 17 de Novembro de 2009 às 11:44

Caro Virgílio, conheço as tuas opiniões. Como já disse, a partir do momento em que decidi aceitar integrar a Comissão Municipal de Toponímia reservo as minhas opiniões para as proferir, em primeiro lugar, no âmbito desse órgão consultivo.

Tal como o questionei no primeiro post que colocou sobre o assunto, sobre quem seriam os restantes nomes desta Comissão, hoje volto a questionar , "Quem irá representar o Baixo Concelho?" Visto que a toponímia tem muito a ver com os usos, costumes , tradições e personalidades de cada terra deveria no meu ponto de vista, esta Comissão ver mais abrangente ao nível territorial. Não quero ainda assim deixar de reconhecer o mérito e capacidades das pessoas que aqui foram apresentadas.
Filipe Pinto a 19 de Novembro de 2009 às 00:29

Não tenho total certeza, mas creio que pelo menos uma das senhoras, ambas professoras, é originária do baixo concelho. Confirmarei assim que puder.

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO