Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
24
Nov 09
publicado por José Carlos Pereira, às 08:45link do post | comentar

Quando ficamos afastados de funções autárquicas, estamos mais livres para falar dos assuntos mais incómodos. É o caso da pretensa vontade de marcoenses do baixo concelho em criarem um novo município centrado em Alpendorada e Matos.

Domingos Neves, presidente da Junta daquela freguesia, desenterrou o assunto em recentes declarações ao jornal "A Verdade". Diz Neves que "seria uma ideia e se tivermos condições também não sou eu que me vou opor a esse projecto". Adiante, considera que o "desenvolvimento do baixo concelho pode passar por um concelho intermédio" e que Alpendorada "poderá vir a ser o centro desse novo concelho". Para isso, Neves recorda: "Já temos a escola secundária, temos a unidade de saúde familiar, temos a piscina, temos valências essenciais e mais que vierem penso que poderão vir para Alpendorada, porque as pessoas de outras freguesias vêm cá e fazem tudo, sem terem que se deslocar a outros lados".

É evidente para todos que Alpendorada criou nos últimos anos uma dinâmica económica e social própria e que muitas pessoas do baixo concelho estão mais voltadas, no seu dia a dia,  para Penafiel e outros concelhos envolventes do que para a sede do concelho de Marco de Canaveses. Contudo, daí a justificar-se um novo concelho parece-me que vai um grande passo.

Domingos Neves coloca a fasquia demasiado baixa ao elencar aquilo que Alpendorada tem e que justificaria a adesão das freguesias vizinhas. Como asseguraria a sustentabilidade do novo concelho? Faria sentido criar um concelho com cerca de quinze mil eleitores? Se juntarmos as freguesias marcoenses envolventes de Alpendorada e Matos e as freguesias ribeirinhas do Douro é a essa soma que chegamos.

Para além da vontade que se percebe que o Governo não tem de criar novos concelhos - provavelmente preferiria fundir alguns dos existentes - creio que falta percorrer um longo caminho para que tal se justifique no território do baixo concelho. Seria uma machadada no município de Marco de Canaveses e, em troca, não se constituiria uma nova entidade territorial com a devida sustentabilidade. E não cuido de saber o que pensariam disto as freguesias atingidas pela decisão, fossem de Marco de Canaveses ou até de Penafiel.

Julgo que Domingos Neves foi temerário em lançar este assunto para discussão, sem trazer consigo fortes argumentos em sua defesa. Não há pressão social sobre o assunto, é verdade, mas com amigos destes Manuel Moreira não precisa de se preocupar com os seus inimigos, como sói dizer-se. 


Caro Dr. José Carlos,
Porque não se trata da opinião de um anónimo cidadão, sem menosprezo pela opinião de cada um, mas da opinião do responsável pelos destinos da autarquia nos próximos anos, seria interessante conhecer se a mesma é partilhada pelos seus pares na autarquia. Não menos importante será conhecer qual o posicionamento das forças políticas concelhias sobre este tema, a criação do concelho de Alpendurada.
Penso que aqueles que hoje têm responsabilidades no nosso concelho não podem deixar passar a oportunidade de, sem tibiezas, manifestar a sua opinião, isto é, se subscrevem a ideia ou se a rejeitam.
antonio ferreira a 24 de Novembro de 2009 às 17:27

Esta é uma questão sussurrada há muito e que Domingos Neves trouxe agora para o debate. Creio que Manuel Moreira não terá ficado entusiasmado com esta iniciativa do presidente da Junta de Alpendorada.
Seria interessante, de facto, saber o que pensam as diferentes forças políticas. Dizem-me que Artur Melo terá dito na campanha que se envolveria na elevação de Alpendorada a cidade. Isso é bem diferente e com menores consequências práticas do que a criação de um concelho, mas seria oportuno saber o que vai na cabeça dos principais actores políticos.

Tenho mesmo que o dizer... Alpendorada é mesmo MUITO IMPORTANTE. Como se vê por este post .
Como Alpendoradense congratulo-me por ter um Presidente de Junta que luta insistentemente pelos interesses da minha freguesia e do meu conselho, posso dize-lo assim porque Alpendorada também é Marco de Canaveses.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Tenho mesmo que o dizer... Alpendorada é mesmo MUITO IMPORTANTE. Como se vê por este post . <BR>Como Alpendoradense congratulo-me por ter um Presidente de Junta que luta insistentemente pelos interesses da minha freguesia e do meu conselho, posso dize-lo assim porque Alpendorada também é Marco de Canaveses. <BR class=incorrect <a name="incorrect">Tambem</A> </A>sei que as posições tomada pelo Sr. Domingos Neves, (e não "Neves") incomodam muita gente das freguesias que se situam na cidade, pessoas essas que têm uma visão muito centralista ou centralizadora, como queiram. <BR>Sr. José Carlos Pereira ( e Marcuenses em geral)deixe-me só lembra-Lo <BR>que Alpendorada e Matos é a Maior Freguesia do Conselho em Nº de Habitantes, tem o maior tecido empresarial e produtivo do Conselho, é a que mais contribui para as finanças da Autarquia e podia continuar... <BR>Mas parece que algumas pessoas n entendem isso. <BR>Acham pelo contrario que Alpendorada já tem muito. <BR>Alpendorada e Matos não tem que estar a mendigar por nada, tem antes que lutar pelo que tem direito, e a Câmara a&gt; Municipal, e o seu Presidente neste caso o Dr. Manuel Moreira tem que entender isto. <BR>E recordando esta ultima campanha, algumas das pessoas que acompanharam o Dr. Manuel Moreira, viram no Candidato Domingos Neves um fantasma. <BR>Meus Senhores ACHO que estão enganados, o Presidente de Junta de Alpendorada e Matos não quer ser a Sombra do Presidente da Câmara a&gt; . <BR>Mas Alpendorada e Matos vai ser sempre uma sombra, grande demais, para uma cidade que esta longe de ser atractiva e competitiva como Alpendorada e Matos se está a tornar graças ao empenhamento e luta destas gentes. <BR>Por isso meus senhores não coloquem o Nosso Presidente de Junta no rol dos "inimigos" terão muito mais a perder do que a ganhar.
Filipe Pinto a 24 de Novembro de 2009 às 20:52

Encontrei-me com Domingos Neves ontem à noite na tomada de posse da Comissão Municipal de Toponímia e trocámos palavras simpáticas sobre o que tinha escrito aqui no blogue.
O leitor deve compreender que não há lugar a distinções entre "amigos" e "inimigos". Há diferentes pontos de vista, como é natural, e tudo deve ser tratado de forma civilizada. As paixões costumam marcar negativamente estes processos - como se viu, por exemplo, na luta Canas de Senhorim/Nelas.

Concordo consigo totalmente e mais acrescento:
É uma loucura como algumas pessoas não conseguem perceber qual a realidade actual do país e em especial deste concelho.
O Marco num todo passa por dificuldades para conseguir sair de uma mediocridade, e em grande parte por não conseguir obter massa crítica para lançar verdadeiros projectos de mudança.
Muitas das freguesias do concelho, na minha opinião, deveriam pensar em organizarem-se (talvez unirem-se) para ganhar dimensão. Já agora por esses pais fora a realidade é igual.
A região (o Marco e muitos dos concelhos evolventes) tem que colaborar para conseguirem terem uma voz com algum peso no palco nacional (e se possível no internacional).
É por tudo isto incompressível que alguém não perceba que poucos nada conseguirão fazer o que muitos estão dificuldade em conseguir. Ou será que as defesas desses projectos por alguns indivíduos passam unicamente pela pretensão destes serem "reconhecidos" com qualquer cargo político?
jvaldoleiros a 24 de Novembro de 2009 às 21:43

Caro Dr. José Carlos
Penso que este assunto é de uma relevância extraordinária para o Concelho do Marco de Canaveses e ainda bem que o touxe á discussão. Como não tenho ,hoje,tempo para mais aqui deixo uma pergunta dirigida ao autor da ideia dum concelho para Alpendurada. Será que o Senhor tem alguma noção de Geopolitica? Parce-me bem que não, senão não se lembrava de tamanha "barbaridade". Deixo para outra ocasião outros comentários sobre o assunto se julgar oportuno...

Saudações
José António
José Antonio a 29 de Novembro de 2009 às 21:50

Comente sempre que quiser, meu caro.

já alguém dizia alguém: O SONHO COMANDA A VIDA....

mas será que o futuro do país passa pela divisão do país em concelhos ou será que um dia teremos a regionalização?

não sabes o futuro deste país, que actualmente debate-se com graves problemas económicos e sociais, é certo que Alpendora é a vila que mais contribui em termos económicos para a câmara do Marco, por outro lado, a população de Alpendorada, sempre precisa de serviços judiciais, camarários etc, tem de se desloque ao Marco.
Alpendorada é das vilas com o maior numero de crianças e jovens, e felizmente já temos a secundária...

penso que o Sr. Domingos, como mentor da evolução que Alpendorada, considera que seria bom para a população usufruir dos mais variados serviços, em vez de se deslocar ao Marco, penso que não tem mal nenhum, ansiar por este momento... todos os Alpendoradenses o anseiam...

talvez a palavra concelho, seja muito forte...

para mim também o é!
porque alpendorada tem um longo caminho pela frente, se realmente o quiser conseguir, mas acima de tudo, acho importante a luta para obter mais serviços em ALpendorada

concelho ou não gosto de Alpendorada :)

parabéns ao Sr. Domingos pelo trabalho elaborado em Alpendorada

Parabéns José Carlos Pereira pelo Blog
rosa das neves a 20 de Março de 2010 às 09:29

Agradeço as simpáticas palavras relativamente ao blogue. E acho muito bem que continue a gostar de Alpendorada!

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO