Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
20
Fev 10
publicado por João Monteiro Lima, às 10:00link do post | comentar

Em tempos escrevi neste espaço um texto denominado "Outra forma de fazer política" no qual abordava o facto da Câmara de Sesimbra ser liderada por Augusto Pólvora eleito pela CDU mas onde os vereadores dos outros partidos tinham pelouros atribuídos.

Era uma situação que não era normal, dado que a CDU poderia ter optado por fazer um entendimento apenas com um dos partidos da oposição. O leitor José Guerreiro dizia então que era o facto de não ter maioria que levava a CDU a proceder de tal forma. O meu amigo José Carlos Pereira em comentário ao meu post apostava que se a CDU ganhasse com maioria absoluta não distribuiria pelouros pelos partidos da oposição.

Eis que tivemos eleições e a CDU venceu com maioria absoluta as eleições para a Câmara Municipal de Sesimbra, e ao vermos a composição do executivo sesimbrense vemos que um vereador da oposição ficou com um pelouro. 

O que prova que, mesmo tendo 5 vereadores em 7, Augusto Pólvora tem uma outra forma de estar na politica e que a maioria absoluta, obtida por si e pela CDU, não se traduziu em poder absoluto nem em exclusão dos que foram adversários políticos.

Passa por a cabeça de alguém que algum dos últimos candidatos à Câmara do Marco fizesse o que foi feito em Sesimbra? Manuel Moreira e Ferreira Torres já deram provas que não, penso que nem Artur Melo nem Norberto Soares o fariam, como também, eventualmente, não o faria António Gomes Varela.

Para além da simpatia das suas gentes e do bom peixe (ai o espadarte grelhado), até pelo seu Presidente da Câmara, Sesimbra vale a pena.

 


Reconheço a "excentricidade" do caso que relata. Mesmo na Assembleia Municipal, com maioria absoluta, a CDU cedeu um lugar na Mesa ao PS.
Teria que conhecer melhor a realidade local para perceber as razões desta atitude da CDU em Sesimbra. Será só a vontade do presidente a determinar estas decisões?
José Carlos Pereira a 20 de Fevereiro de 2010 às 19:37

Caro Amigo,
Eu penso que terá sido maior a vontade do Presidente da Câmara do que a da direcção do PCP, até porque sabemos qual a propensão do PC para fazer entendimentos.
Fica o registo para a situação "excêntrica"

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO