Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
28
Abr 10
publicado por José Carlos Pereira, às 00:15link do post | comentar

A revista “Pro Teste” do corrente mês publica um inquérito ambiental realizado junto de 69 concelhos – todos os que têm mais de 50.000 habitantes e as capitais de distrito – e de 5.031 cidadãos dessas localidades.

Entre os elementos publicados surge um inquérito à satisfação com a recolha de plástico e metal e com a recolha de lixo, numa escala de 1 (muito insatisfeito) a 10 (muito satisfeito).

Na recolha de plástico e metal, Marco de Canaveses está em 53º lugar, ao lado de Aveiro, Pombal, Famalicão, Figueira da Foz e Felgueiras, com o índice 6,4. Portimão lidera com 8,4 e a última posição pertence a Tomar com 5,5.

Quanto à recolha de lixo, o nosso concelho surge apenas no 61ºlugar, juntamente com Sesimbra e Abrantes, com o índice de 6,2. Portimão está novamente em primeiro lugar com 8,2 e Gondomar aparece em último com 5,7.

Num cenário sem avaliações negativas – valores inferiores a 5 – constata-se que os marcoenses inquiridos não ultrapassaram o suficiente na pontuação atribuída, muito embora estejam mais satisfeitos com a recolha de plástico e metal do que com a recolha do lixo comum.


Comentário enviado pelo leitor Afonso Sousa:

"A avaliação está longe de corresponder á realidade do concelho, pois o serviço de recolha do lixo doméstico, é o que tem o menos qualidade, entre todos 12 concelhos da região Tâmega-Sousa. Senão vejamos, para além de todas a peripécias respeitantes á escolha da empresa que presta o serviço, o serviço actualmente prestado é mau. Eu como munícipe, sinto na pele quando tenho que me deslocar ao contentor para colocar o meu saco do lixo. Mas esta falta de qualidade, fica a dever-se, em meu entender ao fraco nível de acompanhamento e exigência por parte dos serviços da autarquia aliada á falta de profissionalismo da empresa que executa o serviço. Para exemplificar o que digo basta ver o estado em que se encontram os contentores que se encontram nas imediações da câmara municipal e junto ao principal cemitério do concelho - Fornos. Para comprovar tudo isto, ficamos a saber recentemente, que o nível de cobrança da taxa do lixo, teve uma quebra em 2009 de 50%(!!). Isto quer dizer que os munícipes do concelho estão francamente descontentes com o serviço que a câmara lhe presta. No que toca á recolha de embalagens papel e vidro, devo dizer que não me recordo que a REBAT tivesse alguma vez lavado os Ecopontos que se encontram espalhados pelo concelho. O que normalmente acontece é substituírem de quando em vez, alguns destes contentores, normalmente nos centros das vilas e cidades. Porque será que os serviços técnicos também não fiscalizam esta empresa? Mais uma vez verificamos que a câmara não cumpre o seu papel, que é o de promoção do nível de qualidade de vida dos marcoenses. Desta vez e neste assunto não pode o executivo municipal dizer que a culpa é dos outros!
O resultado apresentado no estudo só se explica porque os munícipes que responderam ao questionário, terão infelizmente como uma boa parte dos munícipes do nosso concelho, um nível de exigência perante as entidades que prestam serviços no concelho, muito baixo. Espero francamente que de uma vez por todas este estado de coisas se altere.
Afonso Sousa"
José Carlos Pereira a 28 de Abril de 2010 às 19:07

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO