Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
07
Ago 10
publicado por João Monteiro Lima, às 00:15link do post | comentar

A edição on-line do Jornal A Verdade dá a conhecer a posição da empresa Águas do Marco sobre a decisão recentemente produzida pelo Tribunal Arbitral sobre a modificação unilateral do contrato da água.

Posição interessante esta da empresa, que se diz disposta a dialogar com o município. Entende (a empresa) que a decisão do Tribunal lhes é "desfavorável", nada que deva espantar muito os marcoenses na medida em que a empresa tem como objectivo a obtenção do lucro e 16 Milhões de Euros até nem é muito dinheiro (para eles). Como também não será, para eles, muito o dinheiro que a empresa deixará de investir. Muito dinheiro será apenas o que deixaram de arrecadar com a diminuição do tarifário.

No comunicado emitido não é feita nenhuma menção ao investimento efectuado (ou não) pela empresa, nem são adiantadas mais informações sobre se serão cumpridos os investimentos dentro dos prazos estabelecidos. Estes factos, no meu entender bastante mais importantes do que a mera declaração de intenções, são postos de parte.

Urge uma resposta aos marcoenses, da Câmara ou da empresa, ou melhor ainda de ambas, sobre os investimentos efectuados (ou não) até à presente data.

As seguintes perguntas não podem ficar sem resposta:

Quais os investimentos que estavam previstos até Agosto de 2010?

Foram ou não efectuados, e caso não tenham sido efectuados quem é responsável por tal?

Não havendo resposta para estas perguntas, apetecia que os marcoenses decidissem modificar unilateralmente as relações com a empresa e com o executivo (com este e com o que assumiu o negócio e que, ou muito me engano, ou ainda tentará tirar proveito desta decisão).


Caro João Lima
A facilidade da matemática:
Investimento na rede de água e saneamento = 0;
Manutenção da rede = aproximadamente 0;
Facturação = Milhares de euros em cobranças;
Ressarcimento por danos causados = 16 Milhões
A concessão das Águas do Marco de Canaveses é sem qualquer dúvida a mais lucrativa do grupo Somague, dado que até à data não investiu na rede de água e saneamento e ainda vai ser ressarcida dos prejuízos causados (16 Milhões de Euros). Apenas se limitam a facturar de uma rede existente (construída com o nosso dinheiro), e alguma manutenção necessária (custos reduzidos).
É caso para relembrar Temudjin Gengis Khan “Só uma louco vai a uma guerra que sabe que vai perder”.
José António Rodrigues a 7 de Agosto de 2010 às 10:09

Caro josé António Rodrigues,
Tem razão, tenho exactamente a mesma ideia que os proveitos são mais que muitos e os custos apenas os das pequenas reparações que têm que fazer na NOSSA rede.
Tenho algum conhecimento do contrato da água e entendo que ele é benéfico para alguém mas não para os marcoenses .

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO