Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
06
Dez 10
publicado por João Monteiro Lima, às 23:55link do post | comentar

Na passada Quarta-feira, juntamente com os meus dois melhores amigos, fiz-me ao caminho e percorri pela 1ª vez o percurso entre a Igreja de Soalhães e a Capela do S. Brás, no lugar de Almofrela, em Baião.

Foram dois os principais motivos que levaram a pôr-mo-nos ao caminho: o convívio entre bons e velhos amigos e o repasto que nos esperava na Tasquinha do Fumo.

Foram mais de 5 quilómetros que percorremos entre Soalhães e o S. Brás, e neste percurso vimos de tudo, paisagens magnificas aqui a dois passos e a simpatia das gentes das aldeias, mas também lixo, placas  orientadoras do trajecto vandalizadas e a destruição provocada pelos incêndios do último Verão. É pena ver que ainda há quem não seja civilizado e se dê ao trabalho de "mexer no que está quieto" só para estragar.

A Isabel e o Artur, com a simpatia e a hospitalidade habituais, esperavam-nos com um cozido de "chorar por mais" e o verde tinto para recompor energias. O frio, esse acompanhou-nos todo o caminho, o que tornou ainda melhor a aventura.

Logo ao almoço, ficou agendado o regresso a Almofrela ainda antes do Natal, novamente a pé pela serra acima. E que bom que era já não ver nem lixo nem sinais de vandalismo. À atenção das Câmaras do Marco e de Baião.


João, ando há muito para fazer essa caminhada, mas incompatibilidades várias nunca o permitiram. Se não for abuso, ofereço-me para caminhar com o seu grupo numa próxima "peregrinação".
José Carlos Pereira a 7 de Dezembro de 2010 às 19:39

Amigo Zé Carlos,
não é abuso nenhum, na próxima edição da peregrinação à Tasquinha do Fumo será convidado.

Vê-la se para a próxima convidas...Abraço
Silva a 8 de Dezembro de 2010 às 15:49

Amigo Silva,
serás convidado, mas só depois de te conseguir identificar.
Abraço

Apesar de me parecer que está difícil, espero lá ir depois de 23 de janeiro
João a 9 de Dezembro de 2010 às 15:31

Lá iremos João, depois de dia 23. Alegremente.

Caro joão,adorei o seu post!!!NA PRÓxima não se esqueça de convidar os leitores deste blog,adoro caminhadas...ESTE RESTAURANTE,de que fala ,fica na serra? Dizem-me que é otimo!Cumprimentos,e não se esqueça da minha sugestão.

Maria Nogueira
Maria Nogueira a 9 de Dezembro de 2010 às 20:41

Cara leitora Maria,
a tasca do fumo fica ao lado da capela de S. Brás, quem lá vai sente-se em casa. Recordo-me da primeira vez que lá fui, e antes de sair já estava com saudades. Voltei passados 15 dias. Sou já um amigo da casa, a forma como nos tratam não tem igual. E é nesta casa que encontro alguns amigos e onde faço novos amigos
O ambiente tipico das casas da aldeia, o fumeiro no tecto, a loja no piso térreo e as especialidades da Isabel e do Artur merecem uma visita.
Sobre a sugestão que deixa, penso que poderemos pensar nessa ideia.
Obrigado pelas palavras

João!
Já tive o prazer de fazer essa caminhada por diversas vezes em colaboração com a Associação dos Amigos do Rio Ovelha!
Eles muito têm feito para conseguir preservar o trilho e proporcionar as melhores condições possíveis aos caminhantes mas, infelizmente, há sempre "gente" que não tem qualquer tipo de educação e não sabe onde colocar o "lixo".
O trajecto leva-nos de facto a locais fantásticos e impensáveis para a maioria dos marcoenses!
Leva-nos também à importante Tasquinha do Fumo onde somos sempre muito bem recebidos!
Se eu puder... alinho nessa caminhada! Ela liberta as pessoas... conhecidos ou não, ninguém fica indiferente ao "espírito"!
Abraço
Jose Luis Aguiar Silva a 11 de Dezembro de 2010 às 11:29

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO