Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
27
Dez 10
publicado por António Santana, às 22:10link do post | comentar

De uma forma, ou de outra, chegam-me "velados toques" que insinuam que tomo determinadas posições por alegados benefícios á AD Marco 09. Faz essas insinuações quem não me conhece. Também não tem coragem para mo dizer olhos nos olhos. Quero deixar claro que até agora ninguém comprou a minha consciência, os que o tentaram rapidamente abandonaram a ideia, e que tal não irá acontecer.

Quanto á AD Marco 09, seria interessante que analisassem o trabalho que se está a fazer, sem "palas" politicas. Vejam, verifiquem e analisem, com consciência e liberdade mental. Estou totalmente aberto para, aqui, demonstrar as vantagens e desvantagens de gerir este clube.

Também aqui, já deixei a minha opinião dizendo que o executivo municipal poderia comunicar melhor algumas decisões, entre elas os critérios de atribuição de subsídios. Creio que com isso se eliminariam muitas discussões e incompreensões. Seria muito interessante contabilizar tudo,não só os subsídios mensais, mas também as obras e tudo o que é aplicado a cada Associação.


Nem sempre estou em total sintonia com António Santana,mas desta vez e refiro-me ao contexto global do seu post "Critérios e Comunicação",não poderia estar mais de acordo.
Torna-se necessário e urgente,que sejam bem definidos os critérios de atribuição de subsídios pela Câmara Municipal e que todas as obras e materiais também sejam contabilizados, permitindo assim uma transparência total e mais equitativa distribuição daqueles subsídios.

Miguel Fontes a 28 de Dezembro de 2010 às 00:04

Seria sem dúvida muito interessante contabilizar todo e qualquer investimento efectuado pelo município, ou com o dinheiro deste nas associações.
No caso concreto da ADMarco09, seria muito interessante saber quanto custa ao município a manutenção das instalações desportivas, que apesar d serem municipais estão protocoladas “quase em exclusivo” aquela instituição desportiva.
Veja-se o exemplo de Alpendorada, onde a manutenção das instalações desportivas municipais e segundo palavras do próprio presidente da câmara municipal, custa CINCO MIL EUROS mensais, além do subsídio atribuído, que no ano passado foi de CINCO MIL EUROS mensais. JUSTIFICA-SE?
Se calhar não, dado que as instalações encontram-se “blindadas” à utilização livre dos cidadãos que contribuíram e contribuem com os seus impostos para a sua existência e manutenção.
Aqui está o calcanhar de aquiles na política de subsídios vivida e fomentada neste concelho, cria e alimenta a duvida!
Sobre o trabalho desenvolvido pela ADMarco09, em momento algum foi colocado em causa, apenas tenho a firme certeza que podia e deveria ser melhor, o Concelho tem condições logísticas, físicas e humanas para isso. Enquanto existir o sindroma do SENHORIAL DONO DO SEU NARIZ A OLHAR PARA PROPRIO UMBIGO, nada feito!
Vieira a 28 de Dezembro de 2010 às 16:15

Concordo plenamente com o ultimo paragrafo. De facto o concelho tem condiçoes humanas fantasticas para o desporto no marco ser muito bom. O Marco quer ser um clube formador, mas tem as piores equipas das camadas jovens todas das equipas do concelho.
Acho que tava na altura de começar a ter os melhores jogadores do concelho, nao so os da cidade.
O Penafiel tem os melhores jogadores do seu concelho todo e possui umas camadas jovens fantasticas com as principais equipas no Nacional dos respectivos escaloes.

Cumprimentos
anonimo a 28 de Dezembro de 2010 às 20:20

Caro anónimo,

Ao afirmar que a AD. Marco tem as piores equipas do concelho da formação, ve-se claramente que é alguem que desconhece a realidade deste clube. Se para si o melhor é quem ganha mais jogos, fique com esta informação. A AD. Marco tem uma equipa de Benjamins que foi a única equipa do concelho, que na 1ª fase do campeonato totalizou o pleno de pontos (ganhou os jogos todos), ainda tem 2 equipas de juniores que são as equipas do concelho, em conjulto com o Alpendorada que se encontram no lugares cimeiros NAS DUAS SERIES. Os valores qe nos são transmitidos pela direcção e respectivas equipas técnicas, vão muito para além da vertente RESULTADO. Como ve, quando se fala do que não se sabe corre-se o risco de falhar redondamente. Para que conste eu e os meus colegas de equipa temos muito orgulho em representar esta instituição, que acredito de que seja transversal EM TODOS OS ESCALOES. Quem fala assim da ADM só o faz por inveja ou desconhecimento.

Com os melhores cumprimentos,
Atleta AD. Marco
Atleta ADM a 29 de Dezembro de 2010 às 23:18

De modo muito sintético direi sómente que estou totalmente de acordo com o sentido geral das críticas feitas à Câmara Municipal no que se refere aos critérios,obscuros e muito discutíveis, de atribuição de subsídios às diferentes associações do concelho.
Sobre tal política de subsídios muito haveria a dizer e o tempo nos irá trazer luz para que seja esclarecida.
Outro tanto,poderia dizer quanto ao incompleto e incorrecto aproveitamento do potencial humano que o nosso concelho tem na área da juventude para a prática desportiva.
Interesses, só aparentemente indisfarçáveis ,servem-se das ditas associações de carácter desportivo para levar a água ao seu moinho,que é como quem diz,pescar o voto.Sim porque isto da corrida para a meta,prepara-se atempadamente,não vá o Diabo tecê-las e acontecer de não haver outra vez o "papão",para assustar os inocentes ... eleitores.
Miguel Fontes a 29 de Dezembro de 2010 às 21:30

Não é nas classificações que se vêm os melhores jogadores, quando se fala em escalões de formação.
O problema está é na forma como se conduzem e organizam as coisas, pois ver de costas voltadas dirigentes associativos, apenas e só por causa da imposição de ideias, quanto a mim é muito grave.
Um dia vai haver necessidade em dar o braço a torcer, esperemos todos que não seja tarde de mais para umas boas centenas de jovens que podiam ser jogadores.
As associações perduram no tempo, os homens passam, muitas vezes ao lado das ideologias das associações.
A escassez de sustentabilidade económica deveria servir para unificar, contudo o orgulho nem sempre permite o sentar na mesma mesa.
Emanuel Moreira a 29 de Dezembro de 2010 às 23:34

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO