Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
19
Out 12
publicado por António Santana, às 19:45link do post | comentar

O comentario do Dr. João Valdoleiros ao meu post anterior merece as minhas seguintes respostas :

 

- A culpa desta situação não é daqueles que prometeram e não cumpriram. É daqueles que passaram em 6 anos a divida soberana de 90 mil milhões de euros para cerca de 180 mil milhões de euros. Em 6 anos os amigos do Dr. João Valdoleiros, que dirá serem bons gestores, endividaram o País muito mais que os outros que estiveram 30 anos a governar Portugal. Foi decididamente uma gestão desastrosa que agora temos que pagar. Se o nosso País tivesse evoluído na medida dos gastos do Sr. Sócrates e Cª. estou certo de que hoje seríamos o País mais evoluído do mundo. Não é assim, não é verdade ?

 

Diz o Dr. João Valdoleiros para que não seja piegas, alusão clara a um discurso de Pedro Passos Coelho. É claro que também não gostei dessa expressão de Pedro Passos Coelho. Nem dessa, nem de outras. Não o apoiei na sua candidatura a líder do PSD, até porque não sou filiado no PSD, mas sou Social Democrata, porque vi nele liberalismo excessivo. Hoje estou certo de que se cometeu um erro ao eleger Pedro Passos Coelho como líder do PSD. Não concordo com a sua governação e muito menos com a visão de Vitor Gaspar. Este faz-me recordar um outro Ministro que foi um desastre nacional chamado Jaime Silva ex-ministro da agricultura. Que tinham os dois em comum ? o facto de serem funcionários de Bruxelas. Não sabem o que é a dureza da vida.Sabem jogar com interesses e corredores, mas não sabem o que é defender os interesses dos Portugueses.

 

Para que fique claro, revejo-me muito mais nas opiniões de Manuela Ferreira Leite do que em qualquer outras que circulam por aí.

 


Caro António Santana

O meu caro amigo continua como tantos outros a falar duma gestão desastrosa de Sócrates,etc..,procurando não passar a mensagem mais completa das origens/causas da crise em que caímos.
Dizer como Cavaco Silva no seu discurso de tomada de posse após ter garantido a sua recandidatura,que a crise era nacional só pode interessar a quem não se dá bem com a verdade dos fatos.A crise como já então sabiamos é internacional,diria mesmo quase global e é uma crise do sistema capitalista e não desta ou daquela gestão política,em particular.Países com governos de cor político-partidária diferentes da que então governava Portugal também hoje a refletem e são vítimas da mesma crise.
A Islandia chegou à bancarrota,a Irlanda andou lá bem perto,a Grécia é o que se conhece,a vizinha Espanha idem,a Itália, a França e até a própria Alemanha se ressente da crise,para não falar de outros países,como o gigante USA .Poderiamos falar da falência do gigantesco banco Leman Brothers,dos sub-primes,da bolha imobiliária, por ex.),mas fiquemos-nos por aqui.
Resumir as culpas da nossa grave situação económico-financeira à gestão de Sócrates,é no mínimo muito redutor.
Recordo uma máxima de todos os economistas sobre as características da economia portuguesa.É tão frágil e tão dependente de terceiros,que dizem,"quando a economia europeia apanha uma vulgar constipação,a portuguesa apanha uma pneumonia".
É que no meu entendimento a nossa crise não se pode dissociar da crise internacional.Ou estará o governo de Bruxelas a brincar às economias?
Entretanto recordo-lhe que Sócrates geriu o país com um governo minoritário,nos dois últimos anos da sua governação tendo tido o apoio do PSD para aprovar os orçamentos de 2010 e 2011 e os PEC`s I,II e III. Com esta tomada de posição continuará a considerar que não cabem culpas algumas ao PSD pelo estado a que as coisas chegaram?Ou seremos tão ingénuos que os responsáveis do PSD desconheciam na totalidade o estado das contas do país?
Como vê,meu caro António Santana,toda a moeda tem duas faces,assim como a verdade política tem muitas facetas.
Já agora deverei esclarecê-lo à medida do seu esclarecimento que sou independente, não filiado em qualquer partido, apenas comprometido com o Marco.

P.S.: no início da primeira década do século XXI economistas houve que aconselhavam os grandes investimentos públicos como garante da criação de postos de trabalho.Muitos seguiram essa corrente de opinião.Erraram?Talvez,mas o desemprego nunca alcançou valores como os actuais.

Cumprimentos
João Valdoleiros
João Valdoleiros a 19 de Outubro de 2012 às 23:14

Meu caro Dr. João,

Nos meus posts verá que já há longos tempos refiro que a crise é global e que estamos à mercê de fundos financeiros e organizações mundiais de comércio com interesses muito distintos. Também saberia que realço a falta de solidariedade europeia e a imposição dos fortes sobre os menos fortes, ou fracos. Isso não retira responsabilidades a quem governou Portugal e io fez chegar onde chegou. Tal como nas nossas casas teremos que saber que se gastamos muito mais do que aquilo que ganhamos podemos vir a perder tudo. É dos livros e qualquer dona de casa ou qualquer merceeiro sabe fazer essas contas. Reafirmo que o Engº Sócrates e o Engº António Guterres tiveram muitas, demasiadas, responsabilidades no caminho do endividamento a que chegamos. E não falamos das obras não feitas como os TGVS e Aeroprtos. Como parece que somos ambos independentes e estamos nos partidos porque defendemos a nossa terra, creio que não nos será difícil assumir que também temos culpa no cartório porque, no final, os políticos só nos governam porque os colocamos lá. Contudo, não somos eternos prisioneiros de decisões tomadas e podemos, perfeitamente, corrigir o que está mal e se esteja a fazer mal. Não acha ?
Os meus melhores cumprimentos.

Oh senhor António Santana, primeiro, essa resposta ao comentário do Dr. João Valdoleiros devia ser mesmo uma resposta e, como tal, escrita no espaço de comentários do post, um democrata assim agiria, pois acaba por dar visibilidade a uma réplica sem que haja uma base. Devo dizer ao sr. Santana, que os que lá estiveram 6 anos não aumentaram 1/6 daquilo que aumentaram os que lá estiveram 10 anos, agora descubra quem foi, olhe que não é muito difícil, "é só fazer as contas". Mais lhe digo que se o nosso país continuasse a investir em infraestruturas, neste momento, não teríamos tanto desemprego. É a realidade, continuasse a auto-estrada do Marão e outras obras públicas, como parques escolares e veríamos se havia este desemprego e veríamos se a economia estaria como está. Claro que não, tem dúvidas? As pessoas não têm dinheiro para fazer mexer o país.
Para finalizar, dizer-lhe que se de facto defende o socialismo democrático, está no partido errado, sim para mim estar em qualquer grupo que tenha o nome de PPD, é como estar nas fileiras desse partido, e o senhor faz parte do grupo municipal do PPD e, como tal defende o neoliberalismo. Assuma também que foi mau elegerem-no como líder do PPD e muito mais como Primeiro Ministro.
João a 20 de Outubro de 2012 às 02:28

Caro João,

Qualquer comentário é público e usá-lo em primeira ou segunda linha em nada o afecta. Muito menos no que se refira a democracia. A expressão "é só fazer as contas" é aqui muito bem vinda. Quem a usou foi um dos primeiros condutores do desastre nacional. Estou de acordo com a necessidade das obras públicas para auxiliar a economia. Como motor da economia, tenho as minhas dúvidas. Está de acordo com 2 auto-estradas Porto-Lisboa ? Está de acordo com os milhões de desvios nas obras da Parque-escolar ? Quantas obras públicas se fizeram em que os desvios são tantos como o orçamento inicial ? Teríamos tanto para discutir... Eu sou apologista de incentivar a actividade privada a criar novas industrias, dinamizar a agricultura, dinamizar o turismo, apostar em dar condições aos jovens para que se fixem neste País. Apoiar Inovação e investigação, mas tudo isto com um estado regulador, incentivador, facilitador, mas nunca controlador ou actor principal.
Obrigado pelo seu comentário e pelo seu interesse.

Por amor de Deus, eu nem sou PS nem nada mas esta coisa de só os governos socialistas nos tramarem é inacreditavelmente idiota... Por uma vez gostava que o sr. Santana deixasse as amarras da censura laranja... O Governo é PPS e já foi muitas vezes, repita comigo!
Flavio a 22 de Outubro de 2012 às 11:12

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO