Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
11
Abr 13
publicado por João Monteiro Lima, às 19:55link do post | comentar

Recebemos da candidatura de Lino Tavares Dias, PS, o seguinte pedido de divulgação

 

Ciclo de Debates

Uma Política para o Território e para as Pessoas

 

 

A candidatura de Lino Tavares Dias à Câmara Municipal de Marco de Canaveses vai organizar um ciclo de debates com o propósito de elaborar uma “Política para o Território e para as Pessoas”. Esta iniciativa consistirá numa série de debates – complementados por visitas in loco – que se debruçarão sobre temáticas consideradas estruturantes no processo de construção de um projeto político para o Marco de Canaveses. A deslocalização dos eventos e proximidade com a população são também condições basilares da iniciativa, procurando discutir de modo personalizado e realista os problemas e as visões dos marcoenses. Através da discussão pública e dos contributos de especialistas pretende-se otimizar respostas para seis perguntas fundamentais. São elas:

 

Primeira: O que estamos a gerir em 2013?

 

Segunda: O que se pretende para o território e para as pessoas?

 

Terceira: Que políticas transversais devemos desenvolver neste território?

 

Quarta: Que políticas transversais devemos desenvolver para as pessoas que usam este território?

 

Quinta: Que políticas sectoriais podemos aplicar a curto, médio e longo prazo, para desenvolver e melhorar o que temos?

 

Sexta: Como gerir com inovação?

 

Projetar uma Política para o Território e para as Pessoas,  consiste na ousadia de desenvolver leituras estratégicas que valorizem as suas capacidades identitárias. Estes debates são contributos para a construção participada da estratégia política, assumindo a prioridade de valorizar as Pessoas, não só porque é fundamental para o seu desenvolvimento, mas também porque tem efeitos na economia regional e na empregabilidade.

Convidamos todos os marcoenses a participar e contribuir para a construção deste projeto político para o Território e para as Pessoas

 


Debate? Quem está dos outros partidos para contrapor? Isto é mera campanha eleitoral.
Anonimo a 12 de Abril de 2013 às 01:51

Caro anónimo,

Lamento ter de lhe chamar não verdadeiro, mas, quanto sei estiveram pessoas de outras cores políticas, e, até realizaram intervenções.
Antes de fazer afirmações, era conveniente recolher informações de fontes fidedígnas.
Abraço.
Alves dos Santos a 16 de Abril de 2013 às 13:51

Caro anónimo de 12/abril/2013

Debate significa troca de opiniões, discussão. Poderá ser realizado com quaisquer grupos, entre personalidades, com os cidadãos, etc.
Não seja tão limitado na sua vida mental, nem tão mesquinho em relação às capacidades dos outros cidadãos.
Já agora, permita-me uma sugestão. Apareça e então tire depois as suas conclusões.
Termino, com um provérbio popular. "Água benta e presunção, cada um toma a que quer".
Os meus melhores cumprimentos
João Valdoleiros
João Valdoleiros a 16 de Abril de 2013 às 15:31

O Prof. Dr. Lino Tavares Dias tem obra feita no Marco, de enorme mérito e por ela, o nome do Marco a nível nacional e internacional, ganhou maior visibilidade pela positiva.
Já chega todo um passado recente, que humilhava os marcuenses, quando confrontados com os sorrisos irónicos daqueles, que nas mais variadas regiões do país nos inquiriam da nossa natalidade e, ou local de residência.
Não será por demérito de Lino Tavares Dias, que o nosso Marco deixará de enveredar pelos caminhos mais corretos e assertivos, pela escolha das principais e primeiras prioridades.
Personalidade de trato simples, de exemplar educação, de grande cultura, muito exigente consigo mesmo, incapaz de aceitar ou conviver com o facilitismo, recusando categoricamente a bajulação como forma de trato social.
Creio, sinceramente que irá ser um enorme presidente, que os marcuenses há muito procuram, para poderem exibir galhardamente um sorriso franco e se orgulharem de assumir a sua terra natal, o Marco de Canaveses.
Estou certo que não vestirá esta ou aquela camisola partidária, como tantos outros, que à semelhança dos camaleões se adaptam às mudanças do ambiente (político), mas que todos os meus conterrâneos, poderão aperceber-se desde muito cedo, que a camisola de Lino Tavares Dias é a causa da luta pelo fim dum eterno e adiado Marco e à semelhança da sua obra em Tongobriga, traga à luz do dia, aquele concelho de gentes trabalhadoras, muito dignas, humildes, talvez, mas dispostas a lutar ombro a ombro com quem quer realmente honrar a sua história passada e garantir-lhes um futuro mais próspero.
A escolha é nossa Marcuenses, só nossa, da nossa consciência.
Lino Tavares Dias não tem um trajeto político, não é um produto partidário, nem tem rabos de palha, ou telhados de vidro. Como tal, a sua maneira muito digna de estar na vida, só poderá causar invejas, alimentar mentes mesquinhas, ou causar engulhos.
Espero que tal aconteça, pois ajudará a esclarecer uns tantos e a separar o trigo do joio.

João Valdoleiros
João Valdoleiros a 13 de Abril de 2013 às 18:42

Ehehehehe, faz um texto a bajular uma pessoa que mal conhece ao mesmo tempo diz que ele "recusa a bajulação"... Meu Deus, que falta de coerência.
Gomes a 8 de Maio de 2013 às 12:14

Caro amigo "Gomes"

Seria bem mais interessante e mais pedagógico, para mim, que apesar dos meus 72 anos de idade assumo ter ainda muito que aprender, se o seu comentário fosse um bocadinho mais elaborado, mais cívico, no sentido de demonstrar respeito pela opinião de terceiros, opositores políticos ou não.
Apesar da minha limitada cultura linguística e depois de ter lido, e relido, a minha análise sobre a personalidade do Professor Universitário Lino Tavares Dias, continuo crente que fui justo, e até talvez tenha pecado por insuficiente, pois quando comparada esta individualidade com os outros candidatos só lhe posso reconhecer qualidades superiores.
Termino, meu caro amigo "Gomes", sempre ao seu dispor e sempre recetivo aos seus eruditos comentários.
Como sabe, desde sempre se diz "o saber não ocupa lugar", a educação cívica, essa sim e a cultura também.
Os meus melhores cumprimentos
João Valdoleiros
João Valdoleiros a 10 de Maio de 2013 às 20:37

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO