Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
31
Mar 09
publicado por J.M. Coutinho Ribeiro, às 18:53link do post | comentar

No que parece ser uma primeira reacção das candidaturas à absolvição de Ferreira Torres, Duarte Menezes, candidato a presidente da Assembleia Municipal nas listas do independente Norberto Soares, faz, no blogue da candidatura, uma análise teoricamente correcta dos acontecimentos. Pelo menos, no domínio da pedagogia. Resta saber se a análise terá muito a ver com a realidade do Marco...


A possível aderência da teoria à prática é sem dúvida algo decisivo para 2009, mas Meu Caro noto que lhe terá escapado algo... Tanto falou em tibiezas no discurso da campanha de Norberto Soares em relação a AFT , que seria no mínimo de bom grado constatar uma evidente demarcação em relação ao dito. Atente bem à semântica utilizada, sei bem que são só palavras, mas a prática virá depois, estou certo disso... Cada coisa a seu tempo. Ainda não é suficiente para o Meu Caro? Lá chegarão, lá chegarão... :-)
Nuno Pinto a 31 de Março de 2009 às 21:56

Não, não é suficiente. Sou muito exigente... E, por isso, vou ficar à espera para ver como é que NS - ele próprio - vai gerir a situação.

O Meu Caro é uma cidadão exigente e faz muito bem. Aguardemos então pacientemente pelo timing próprio do candidato...

Ah, claro, NS é que sabe quando deve. Se AFT não o obrigar a ir a jogo antes disso... Palpita-me que vai ser assim.

No comentário anterior é claro que queria dizer 'um cidadão' e não com lá erradamente escrevi 'uma cidadão'.
Nuno Pinto a 31 de Março de 2009 às 22:39

O discurso politicamente correcto de Duarte Menezes, anunciado candidato à presidência da Assembleia Municipal pelo Movimento de Norberto Soares, não resistirá à realidade da pré-campanha. Avelino Ferreira Torres é de outro campeonato e cedo Duarte Menezes perceberá isso.
Quanto ao mais, não posso deixar de dizer que colocar no mesmo prato da balança os casos de Isaltino Morais, Valentim Loureiro e José Sócrates não lembra ao diabo. Muito menos deveria lembrar a um advogado, como julgo que é o caso de Duarte Menezes. Sócrates é investigado? É acusado de quê? Por que motivo a sua recandidatura a primeiro-ministro é trazida para esta discussão?
José Carlos Pereira a 1 de Abril de 2009 às 00:02

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO