Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
09
Dez 11
publicado por João Monteiro Lima, às 00:05link do post | comentar

No próximo dia 15 de Dezembro, realiza-se a partir das 14h 30m, no auditório da Junta de Alpendurada, no âmbito da Agenda Regional para a Empregabilidade – Pacto Territorial para a Empregabilidade do Tâmega, o “Fórum da Pedra”

A recepção aos convidados será feita a partir das 14h no Museu da Pedra em Alpendurada


19
Mar 11
publicado por João Monteiro Lima, às 00:05link do post | comentar

No dia 21 de Março, será inaugurada a feira do Livro que decorrerá até dia 25 de Março, no horário 8h 30m – 17h 30m, tendo no dia 24 um horário alargado entre as 20h e as 22horas.

A organização da Feira do Livro é da Biblioteca da Escola Secundária de Alpendurada.

Na mesma escola, no dia 21 de Março, entre as 8h 30m e as 17h 30m  e as 20h e as 22h, na Biblioteca da Escola, comemorando o Dia Internacional da Poesia, decorrerá a iniciativa “Café com Poemas”


28
Fev 11
publicado por João Monteiro Lima, às 22:25link do post | comentar | ver comentários (3)

O leitor do Marco2009, Jorge Guedes, lança o seguinte alerta sobre um terreno em Alpendurada. Já na passada Sexta-feira, no período de intervenção do público, Francisco Freitas, ilustre Alpenduradense, alertou para a mesma situação. Tal como nos escrevia hoje um leitor "a luta é de todos".

Transcreve-se o alerta de Jorge Guedes:

 

Factos ocorridos recentemente levaram a evidências de tentativa de Usucapião, consumada em Conservatória de Registo Predial do Marco de Canaveses, sob inscrição datada de 02 de Dezembro de 2010, do terreno situado em frente à Escola EB 2,3 de Alpendorada.
De facto, o sujeito em causa, alegou ser o legitimo possuidor do terreno, sito no antigo lugar de Viúvas, sendo que, de entre outras barbaridades, diz ter feito, à vista de toda a gente, actos como semeio e cultivo de vários tipos de culturas, cortando o mato e retirando ainda outras utilidades como apascentando gado.
Hora como todos os Alpendoradenses sabem, o dito terreno, nos últimos 25 anos apenas tem sido utilizado pela freguesia de forma pública, tendo inclusive sofrido pelos populares intervenções de limpeza de mato e lixo, como prevenção da saúde e segurança pública.
Não me parece pois que, qualquer motivo possa legalmente contornar as evidencias de anos aos olhos de milhares de Alpendoradenses que se preocupem em defender a sua terra e as suas gentes.
Os interesses económicos e egoístas de qualquer indivíduo não podem fazer calar a nossa voz e os nossos direitos. A verdade deverá ser do conhecimento de todos. 
Jorge Guedes"


11
Fev 11
publicado por João Monteiro Lima, às 13:45link do post | comentar

O marcoense Luís Vales, deputado do PSD eleito pelo Porto, questionou recentemente o Ministro da Administração Interna sobre o Posto Territorial da GNR de Alpendurada. Transcreve-se a pergunta do deputado do PSD:

 

 

 

Assunto: Posto Territorial da Guarda Nacional Republicana de Alpendorada e Matos, Concelho de Marco de Canaveses

 

 

 

Destinatário: Ministério da Administração Interna

 

 

 

Ex.mo Sr. Presidente da Assembleia da República

 

 

 

O Posto Territorial da GNR de Alpendorada e Matos foi aberto no ano de 1966, contando, à data, com um efectivo de 20 guardas.  A sua competência territorial abrangia dez freguesias da região, que em 1966 contavam com cerca de dez mil habitantes.

 

Actualmente, quarenta e quatro anos após a sua abertura, o Posto Territorial da GNR de Alpendorada e Matos continua a ter competência territorial sobre as dez freguesias, só que essas dez freguesias (Torrão, Várzea do Douro, Favões, Ariz, Vila Boa do Bispo, Magrelos, S. Lourenço do Douro, Sande, Penhalonga, Paços de Gaiolo mais a própria Vila de Alpendorada e Matos) possuem actualmente uma população de cerca de 30.000 habitantes, ou seja, três vezes superior à que existia aquando da criação do Posto.

 

Em termos de equipamentos sociais e económicos existem actualmente na área de competência do Posto oito agências bancárias, uma Escola Secundária, duas Escolas EB2,3, diversas escolas do primeiro ciclo do ensinos básico e escolas profissionais, vários jardins-de-infância, com uma população escolar rondando os 5.000 alunos.

 

Apesar da evolução demográfica, social e económica da região, o efectivo afecto ao Posto Territorial da GNR de Alpendorada e Matos permaneceu com o mesmo número de 20 guardas.

 

Para além disso, o mesmo Posto territorial encontra-se há 45 anos, a funcionar numa habitação degradada, com espaços exíguos, sem condições de higiene, com débil acesso à internet/ intranet e que não oferece condições básicas para o adequado funcionamento das suas funções.

 

  

 

Assim, o(s) Deputado(s) abaixo-assinado(s) do Grupo Parlamentar, vem (vêm) requerer a V. Exa. se digne solicitar ao Governo através do Ministério da Administração Interna e ao abrigo do disposto nas alíneas d) e e) do artigo 156º da Constituição Portuguesa e da alínea e) do n.º 1 do artigo 4º do regimento da Assembleia da República, resposta às seguintes questões:

 

  1. Para quando a construção de um novo espaço para o funcionamento deste Posto Territorial?

    1.Face ao acima exposto, para quando o reforço de efectivos neste Posto territorial?

 

 

 

      

 

Assim, o(s) Deputado(s) abaixo-assinado(s) do Grupo Parlamentar, vem (vêm) requerer a V. Exa. se digne solicitar ao Governo através do Ministério da Administração Interna e ao abrigo do disposto nas alíneas d) e e) do artigo 156º da Constituição Portuguesa e da alínea e) do n.º 1 do artigo 4º do regimento da Assembleia da República, resposta às seguintes questões:

 

1.       Para quando a construção de um novo espaço para o funcionamento deste Posto Territorial?

 

 

 

2.       Face ao acima exposto, para quando o reforço de efectivos neste Posto territorial?

 

 

 

     

 

Palácio de São Bento, 10 de Fevereiro de 2011

 

O(a)s Deputado(a)s:

 

                                                                                                                                                Luís Vales

 


29
Dez 10
publicado por João Monteiro Lima, às 00:05link do post | comentar

Eis uma iniciativa que deve ser divulgada:

 

 

Solidariedade com Sara Vieira

 

A ARADUM, Associação para o Desenvolvimento Cultural do Douro, é uma associação sem fins lucrativos que está a desenvolver uma campanha de angariação de fundos para ajudar a comprar uma cadeira de rodas eléctrica, com os respectivos acessórios, no valor total de 17.300 euros, para a jovem Sara Raquel Gomes Vieira.

A Sara tem 17 anos, é natural de Alpendorada e frequenta o 12.º ano na Escola Secundária de Alpendorada. A paralisia cerebral torna-a dependente, mas, apesar disso, é uma jovem cheia de alegria e vontade de viver. Encontrou no desporto uma forma de conseguir alguma liberdade e independência, tendo participado nos campeonatos nacionais de Boccia, onde conseguiu um honroso 4.º lugar.

Com o contributo de todos, podemos concretizar o sonho da Sara Vieira.

Colabore, por muito pouco que lhe pareça, pois assim iremos levar alguma felicidade a quem poucos meios tem para a conseguir.

Donativos para:

  • Associação ARADUM

Praceta do Mercado, n.º 104 – 1.º Piso, Loja AD

4575-010 Alpendorada e Matos

Telefone: 910613975               Email: associacaoaradum@gmail.com

 

  • Depósito ou transferência bancária por multibanco

Banco BANIF de Alpendorada, NIB: 00 38 0000 39197 263 771 72

A Sara agradece


12
Dez 10
publicado por João Monteiro Lima, às 01:05link do post | comentar | ver comentários (4)

O sempre atento leitor Emanuel Moreira enviou-nos um link para uma entrevista do ex-dirigente do futsal do FC Alpendurada, António Couto, concedida ao jornalista do jornal O Primeiro de Janeiro, José Túlio.

 

Para ser mais fácil aos leitores do Marco2009, decidimos transcrever a entrevista publicada na edição de 10-12-2010 e que tinha como título "Futsal do Alpendurada corre para a extinção":

 

"Futsal do Alpendorada corre para a extinção

António Couto reage ao definhar do projecto iniciado há dezasseis anos
António Couto não tem dúvida em considerar que a actual Direcção do Alpendorada vai conduzir o futsal do clube à extinção


José Túlio



Seis meses depois de colocar ponto final em dezasseis anos no futsal em Alpendorada, António Couto olha para a realidade do clube com tristeza e apreensão. 'A actual situação financeira do concelho e do País é sem dúvida preocupante, mas, como noutras alturas do passado, não pode servir como único argumento justificativo da actual situação que se vive no Alpendorada', afirma, a O Norte Desportivo, o dirigente que há dezasseis anos ajudou a montar um clube para a prática do futsal – o ARCA - e mais tarde aceitou a integração desse mesmo clube no FC Alpendorada. 'A um dirigente desportivo exige-se capacidade para apresentar um projecto credível passível de ser patrocinado por empresas que sintam empatia para com o projecto e para com as pessoas que o encabeçam de forma a que percebam que o seu investimento é dado como bem empregue', explica, lembrando que 'ninguém investirá um cêntimo que seja em algo que está mal definido, sem objectivos e acima de tudo mal dirigido',

 


Com seis treinadores em quatro meses, um plantel de fraco nível, penúltimo lugar na classificação e a descida de divisão como um cenário praticamente inevitável, o futsal do Alpendorada corre para a 'extinção', 'Desde cedo se percebeu que a verdadeira intenção desta nova direcção, que supostamente terá «reunificado» o clube, era a de destruir o trabalho árduo e sério que aqui foi desenvolvido ao longo de todos estes anos por muitas pessoas que aqui deixaram, esforço, dedicação e também investimento financeiro', lamenta António Couto, admitindo que além da 'ignorância e desconhecimento', da modalidade que a actual Direcção 'tem mostrado', existe 'uma vontade assumida por parte da direcção de extinguir a secção de futsal',

Política e política

 


Confrontado com a crise económica que o País vive e as dificuldades que qualquer clube sente para encontrar patrocínio, António Couto garante que dificuldades sempre existiram, mas lembra que a secção 'sempre viveu em grande parte dos patrocinadores', dando como exemplo o último relatório e contas entregue pela secção onde na rubrica de patrocínios consta mais de cinquenta por cento do orçamento. 'Não podem as instituições desportivas e os seus dirigentes estar à espera dos subsídios destinados à formação para liquidar salários de atletas seniores, sejam eles do futsal ou do futebol', afirma peremptoriamente o dirigente, virando também as suas críticas para o presidente da Câmara do Marco de Canavezes e da Junta de Freguesia de Alpendorada: 'Como é que possível o autarca desta terra continuar «escondido» e alheado a tudo o que aqui se está a passar. Ele deveria ser o primeiro de todos a lutar por este património que é dos alpendoradenses e de todo o Marco de Canaveses. Nem ele, nem o responsável máximo da autarquia, avisado atempadamente que esta situação de vergonha se poderia tornar realidade em pouco tempo. Para quem apregoava que o futsal era um património do Concelho nada fez para impedir esta triste realidade',

Orgulho no passado


Acusado de ter deixado uma herança pesada no final do seu mandato, António Couto não entende que um trabalho feito durante dezasseis anos para valorizar o concelho e a freguesia seja entendido como um fardo, e lembra que avisou atempadamente a Direcção do clube que ia abdicar no final da época desportiva 2009/2010. 'O anterior e actual presidente da direcção teve, desde que lhe foi comunicada a nossa vontade de não continuar, tempo mais do que suficiente para organizar a equipa de forma a poder dar continuidade ao projecto', lamenta António Couto, lembrando que não competia a quem estava de saída o contacto com treinadores e jogadores.

António Couto foi durante dezasseis anos a cara do futsal em Alpendorada"


14
Out 10
publicado por João Monteiro Lima, às 08:45link do post | comentar | ver comentários (1)

A 2ª edição da Bienal da Pedra realizar-sé-à durante o próximo fim-de-semana na Vila de Alpendurada. O ínicio da Mostra do Sector da Extracção, Transformação e Comercialização de Granitos e Derivados, será na Sexta-feira, dia 15, estando a abertura oficial marcada para as 10h, terminando no Domingo, dia 17.

A noite de Sexta-feira será animada por um Grupo de Rancho e por Grupos de Cavaquinhos.

No Sábado, a abertura será às 10h, às 15h haverá animação musical, às 16h 30m de Sábado está agendade uma visita ao Museu da Pedra (em Alpendurada), seguindo-se às 17h 30m, na sede da JF de Alpendurada e Matos, uma conferência denominada "A pedra no desenvolvimento económico e social". À noite haverá uma arruada de bombos e gaitas de foles e a actuação de um grupo musical brasileiro.

No Domingo, às 15h está marcado o desfile da Confraria do Granito, às 15h 30m animação musical com vozes da Terra e a Sessão de encerramento da Bienal está marcada para as 20h.

Uma sugestão para o fim-de-semana.


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO