Olhares descomprometidos, mas interessados, sobre o Marco de Canaveses. Pontos de vista muitas vezes discordantes, excepto no que é essencial. E quando o essencial está em causa, é difícil assobiar para o lado.
20
Jul 10
publicado por José Carlos Pereira, às 08:45link do post | comentar | ver comentários (5)

Os novos órgãos concelhios de Marco de Canaveses de PSD e PS tomaram posse há cerca de dois meses e muito pouco se tem ouvido falar da sua acção. As lideranças partidárias de Rui Cunha (PSD) e Artur Melo (PS) têm-se caracterizado pelo low profile, faltando saber se se trata de uma opção deliberada ou se é mero circunstancialismo. Terão preferido esperar pela rentrée, à boa maneira das estruturas nacionais?

Em minha opinião, exigir-se-ia um papel mais interventivo das estruturas partidárias, de apoio aos seus autarcas eleitos e de mobilização de simpatizantes e militantes, num momento particularmente efervescente da política nacional e quando se aproximam (pelo menos) eleições presidenciais. Que me lembre, em termos públicos apenas houve conhecimento de comunicados das duas estruturas a propósito das obras na Linha do Douro. Não há outros assuntos que motivem a intervenção das estruturas concelhias de PS e PSD?

No caso de Artur Melo, a sua actividade como vereador corre o risco de limitar a capacidade de iniciativa do partido, o que não é de todo positivo. Melo terá de saber encontrar espaço para os dois planos de intervenção, acolhendo também a opinião da corrente que lhe foi adversa nas eleições internas. Para o PS crescer não pode ficar limitado a projectar a voz do seu presidente e vereador em funções.

Já Rui Cunha, líder da bancada do PSD na Assembleia Municipal, terá de encontrar o equilíbrio entre o apoio e a crítica construtiva à maioria que governa o executivo autárquico, ao mesmo tempo que precisa de lançar as bases para o futuro.

Entretanto, se vierem por aí as eleições legislativas será curioso ver Rui Cunha, mandatário de Aguiar Branco nas últimas eleições do PSD, a liderar a campanha local por Pedro Passos Coelho, assim como Artur Melo a bater-se por José Sócrates, por quem nunca "morreu de amores". Como dizia Guterres, é a vida...


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO